BRINCANDO DE FALAR A VERDADE… “PROEDIS” de Cabo Frio

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Principais-manifestações-culturais-brasileirasPor Beth Michel

 

Quando meus filhos (4) eram pequenos, e acontecia alguma desavença “braba”, eu tinha uma maneira um tanto peculiar de colocar as coisas em seus devidos lugares, e para tanto usava um expediente quase milagroso ( pelos resultados) eu fazia uma perguntinha (em voz baixa para obrigá-los a prestar atenção) que era: “Vamos BRINCAR de falar a verdade?!”

Ao contrário do que se possa pensar, a palavra chave não era “verdade”… Mas sim, a palavra: “BRINCAR”! Curioso não!? E querem saber!? A fórmula “mágica” ainda funciona em qualquer faixa etária e com qualquer ser vivente com um mínimo de inteligência funcional.(*)

Então toca a BRINCAR de perguntar sobre a verdade e falar a verdade?

O "criador" do mentiroso

O “criador” do mentiroso

  • O que foi exigido (previamente) dos autores dos projetos apresentados a concorrer aos 2 (dois) PROEDIS “criados” pela Secretaria Municipal de Cultura – Cabo Frio?
  • Qual foi o critério ( legal e comprovável) utilizado para elaborar os requisitos básicos para aceitação dos referidos projetos?
  • Como, por quem, e por que foi escolhida a “comissão” ( nomes, qualificações e isenção) que determinou quais projetos teriam o direito a receber verbas públicas ( leia-se pagas pelos impostos de todos nós)?
  • Qual foi o papel do Conselho de Cultura na escolha dos projetos? Havia algum conselheiro na comissão que escolheu os projetos e prêmios? Qual?
  • Nos casos controversos ( aqueles que admitiam recurso) qual foi a entidade, comissão, ou poder legitimo que determinou a procedência ( ou não) dos recursos? E com base em que regra?
  • Dos premiados ( com nosso suado dinheirinho) quais projetos foram cumpridos na integra ( incluindo prestação de contas e contra partidas) e qual foi o ente público que analisou; e quais teve suas (deles) contas aprovadas?
Analisando as prestações de contas...

Analisando as prestações de contas…

  • No caso de projetos que não tenham prestado contas, ou cujas contas não tenham sido aprovadas, ou cujas a contra partidas não tenham sido realizadas? Quais foram as medidas adotadas para reaver os valores para o poder público concedente?
  • Quais foram os benefícios auferidos pela comunidade ( de forma durável) com a execução de tais projetos?
  • Os autores dos projetos premiados conseguiram com a referida premiação do Proedi alcançar patamares profissionais mais produtivos e/ou independentes?
  • O que a CIDADE recebeu como crescimento artístico, intelectual, e qualidade de vida com as duas edições do PROEDI?
  • E só para ser JUSTA! Se o primeiro Proedi ( 2013) ainda está rendendo “pano prá manga”, o que se pode arguir em favor da segunda edição ( 2014); que parece que ainda não mostrou a que veio?

E…Já ia me esquecendo… A quem os “incomodados” com as decisões da premiação do Proedi 2014 ( pago em 2015) deveriam recorrer para eventuais “recursos”?! E qual o prazo dado para impetrar os recursos?

E já que o na rede social não existe limitação de espaço:

Aproveito a oportunidade para reiterar 2 (duas) perguntas antigas e ainda sem respostas:

  1. Porque na publicação dos ganhadores dos PROEDIS (2013/2014) constam apenas os nomes dos PROJETOS, mas não dos AUTORES dos mesmos? Economia ou “sigilo”?
  2. Os Conselheiros de Cultura eleitos no Fórum de Cultura de 2015 já foram empossados e já estão exercendo suas (deles) funções? E o Conselho de Patrimônio? Já foi renovado e está atuante? Quem são estes (últimos) Conselheiros ; quais são suas áreas de atuação e quem os escolheu?

Tá legal! Eu sei que algumas vezes sugiro “brincadeiras” sem graça…

Mas, perguntar não ofende…

E vai que numa destas alguém entra na pilha de responder, né não? Não custa nada ser otimista… E é muito melhor para a saúde!

(*) Nota: Na verdade tenho ( e não só eu)  as respostas para a maioria (80%) das perguntas acima e comprováveis mediante mera leitura atenta de publicações oficiais. Os 20% restantes são facilmente detectados pelos FATOS , ou pela falta deles. E é nisto que reside a BRINCADEIRA : “Vamos ver quem tem a HOMBRIDADE de admitir aquilo que todo mundo já sabe”. Se fizerem questão e tiverem paciência; eu respondo uma por uma as perguntas formuladas…

This entry was posted in FeBeACaF - Festival de Besteiras que Assola Cabo Frio, José Facury, PERGUNTAR NÃO OFENDE... Blog do Carlão, SÓ PRÁ CHATEAR..., UTOPIAS PALACIANAS. Bookmark the permalink.